Deu Lego na cabeça

Compartilhe

Os robôs de Lego estarão em ação na fase regional de Minas Gerais do Torneio Internacional de Robótica FLL (First Lego League), que acontece em Belo Horizonte, no campus do UniBH Buritis, entre os dias 17 e 18 de fevereiro. Durante os dois dias, 34 equipes com alunos de escolas públicas, particulares e independentes entre 9 e 16 anos de todo o estado e de outras partes do país disputarão o título da competição e, de quebra, uma vaga na disputa nacional, que acontece neste ano, em Brasília.

O tema oficial desta temporada é o Animal Allies ou animais aliados. A ideia é buscar soluções para que a relação entre homens e animais seja amistosa para ambos. Afinal, essa relação é antiga e data desde a época das cavernas, apresentando evolução tanto no campo da saúde, como aliada em terapias das mais diversas ou tratamentos de doenças. Os alunos serão avaliados em quatro categorias: projeto de pesquisa sobre o tema da atual temporada; desafio do robô, no qual, na mesa de competição os robôs precisarão executar missões de forma autônoma; Design, que envolve o desafio mecânico da criação dos robôs, estratégias, lógica, matemática e programação. Além de Core Values ou valores fundamentais, que avaliará a capacidade de trabalhar em equipe dos competidores.

A analista de projetos educacionais do SESI, Anete Maria de Oliveira, ressaltou que o aprendizado através das práticas da robótica estimula os alunos a se interessarem pela metodologia científica, matemática, física e tecnologia. “A robótica é uma excelente ferramenta na formação ética, pessoal e profissional dos estudantes, pois ela estimula e trabalha habilidades como liderança, trabalho em equipe e comunicação. Aspectos que são imprescindíveis para esses adolescentes,” pontuou.

Mais novidades:

Estarão presentes durante o evento, os robôs Nico e Maurício. Enquanto o primeiro desafia os visitantes em partidas de jogo da velha e distribui prêmios de acordo com o resultado dos duelos, Maurício prende a atenção dos participantes da feira ao desenhar milimetricamente os integrantes de “A Turma da Mônica”, de Maurício de Sousa. Além, é claro, da robô Eva, humanoide construída a partir de impressoras 3D.