Projeto mineiro é um dos contemplados por Chamada Internacional de cooperação.

Compartilhe

AHE JirauAs Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), em parceria com o British Council, por meio do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (CONFAP), divulgaram as propostas aprovadas na Chamada CONFAP - British Council: Institutional Links 2017. O objetivo da Chamada foi promover parcerias entre instituições localizadas nos estados elegíveis e instituições britânicas de ensino superior ou pesquisa, dentro de inovação social, nas áreas de Desenvolvimento Rural e Biodiversidade, tendo como foco central o desenvolvimento de capacidades de alcance direto a atores relevantes das áreas contempladas.

Cada estado teve um recorte específico para propostas a serem submetidas. Em Minas Gerais, por exemplo, o foco foi o desenvolvimento rural e suas variáveis, como: Agronomia, Ciência e Tecnologia de Alimentos, Engenharia Agrícola; Engenharia Sanitária (Tecnologia e problemas sanitários de irrigação, Recursos Florestais e Engenharia Florestal; Medicina Veterinária; Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca; Zootecnia.

Entre três propostas apresentadas no Estado, o projeto mineiro Enhancing fisheries resilience and hydropower development: the road to sustainable energy-water-food NEXUS in Brazil, do professor Luiz Gustavo Martins da Silva (UFSJ), foi contemplado. A iniciativa visa a estabelecer colaborações interdisciplinares e buscar soluções para problemas globais relacionados à sustentabilidade de empreendimentos hidrelétricos e de infra-estrutura para uso de água. De acordo com o pesquisador, estes empreendimentos impactam, de forma negativa, a fauna de peixes e, com isso, afetam a atividade pesqueira, comercial e de subsistência em várias bacias hidrográficas no Brasil e em outros países do mundo.

As atividades a serem desenvolvidas focarão em transferência de tecnologia da Inglaterra, através da Universidade de Southampton, para os pesquisadores brasileiros na quantificação de impactos de eventos de mortandade de peixes em usinas hidrelétricas e desenvolvimento de soluções para o problema. Espera-se, que protótipos de sistemas de repulsão para peixes sejam desenvolvidos e tenham sua eficiência testada para a redução da mortalidade. Além de possibilitar obter informações sobre limites de descompressão suportados pelos peixes, quando em contato com turbinas, o que pode contribuir significativamente para o desenvolvimento de novas máquinas que ofereçam menores riscos de mortandade. "Obtendo sucesso, certamente os resultados dessas soluções trarão impactos positivos tanto para a sociedade (comunidade pesqueira), o ambiente (conservação dos peixes) e a economia (sustentabilidade do setor elétrico). ”, pontua.

Confira o resultado aqui.

Veja também o resultado de todas as propostas aprovadas em âmbito nacional.

Outras informações podem ser obtidas com a Central de Informações da FAPEMIG, pelo e-mail ci@fapemig.br.