Para evitar falhas técnicas em aviões, submarinos e transporte ferroviário

Compartilhe

Pixar divulgaçãoQuem não está sujeito a, por mais seguro que possa parecer um mecanismo, sofrer um acidente por problemas que envolvam falhas técnicas? As aeronaves, os carros, trens, embarcações de alto luxo e até submarinos podem, apesar do rigoroso controle de qualidade e inspeções constantes, estar sujeitos a avarias que causam acidentes e matam.

O mais recente caso ocorreu com o submarino argentino, Armada da República Argentina San Juan (Ara San Juan), perdido no Atlântico Sul, com 44 tripulantes. De acordo com relatos, o submarino desapareceu após comunicar dano elétrico no sistema, em função da entrada de água. “ Esta e outras falhas nos sistemas que afetam, gradualmente, o funcionamento normal do processo, poderiam ser evitadas, se detectadas previamente. Outros exemplos são a queda do avião Air France, A330, em maio de 2009, e o acidente ocorrido com a plataforma da Petrobras, a P36. ”, esclarece o professor Marcos Flávio, da Universidade Federal de Montes Claros (Unimontes).

Para reduzir o número destas falhas, pesquisadores da Unimontes, coordenados pelo professor Marcos Flávio, e com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG), estão desenvolvendo estudo que busca novas abordagens para detecção do ponto de mudança em séries temporais e assim identificar previamente as falhas incipientes.

A novidade é que, para tal, o pesquisador não utiliza de modelos matemáticos, o que seria altamente sugestivo. “ Utilizei a teoria dos conjuntos fuzzy e a abordagem bayesiana que, juntas, foram suficientes para resolver o problema de detecção do ponto de mudança”, pontua. O conjunto da obra possibilitou o desenvolvimento de uma metodologia que pode prever falhas em sistemas dinâmicos e, assim, prever acidentes.

Tatiana Nepomuceno