Audiência pública na Assembleia debate repasses da FAPEMIG

Compartilhe

Ontem (03), a diretoria executiva da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) participou de audiência pública da Comissão de Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para esclarecer acerca dos atrasos nos repasses de recursos que afetam a Fundação.

O presidente da FAPEMIG, Evaldo Vilela, acredita que, mesmo que o repasse constitucional fosse pago por completo (1% do orçamento), o valor ainda seria aquém do necessário. De acordo com ele, de 2004 a 2014, a FAPEMIG investiu R$ 1 bilhão em pesquisas. “Parece muito, mas esse valor é o que a Fundação de Amparo à Pesquisa em São Paulo (Fapesp) vai aplicar só em 2015”, comparou, acrescentando que o mínimo constitucional para investimento em pesquisa científica em São Paulo é de 3% do orçamento. De acordo com Alexsander Rocha, Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPEMIG, apenas 30% do valor devido foi pago em 2014.

Outro assunto abordado foi o artigo da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), em tramitação na ALMG (Projeto de Lei 1.503/15), que determina que 50% da verba destinada à FAPEMIG seja investida em projetos de instituições estaduais. O Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, destaca que a FAPEMIG não dá dinheiro para instituições, mas investe em projetos, por isso é importante que sejam os melhores projetos. “Não faz sentido distinguir entre universidades federais e estaduais”, acrescenta Beirão.