Como despertar nas crianças o interesse pela Ciência?

Compartilhe

Falar sobre a vida de grandes pesquisadores, transformar as aulas de Ciências em uma brincadeira, fazer com que os alunos construam seus próprios experimentos, crias alternativas para mostrar que a Ciência não é nenhum bicho-papão. Tem muita gente mobilizada para aproximar a criança da Ciência desde cedo. A SBPC Jovem, parte da programação da 67ª Reunião Anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), que acontece até o dia 18 de julho em São Carlos (SP), dedicou um espaço a esse objetivo.

 

O Laboratório de Objetos de Aprendizagem (LOA), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), é um exemplo desse esforço. Ele transforma a Física, o Português, a História, a Matemática, a Química, a Música e outros conteúdos em jogos pedagógicos que auxiliam as crianças a assimilar o conteúdo mais facilmente. Com a ajuda do LOA, é possível unir-se a Vasco da Gama em sua jornada marítima até as Índias e conhecer a obra clássica “Os Lusíadas” de Luís Vaz de Camões. Um mergulho no mundo dos sonhos, onde balões caem do céu, também pode levar aos clássicos dos jogos adaptados para o aprendizado da Gramática da Língua Portuguesa. A Química fica muito mais divertida com o Quimemória, que possibilita relacionar os elementos químicos com seus símbolos, sendo possível a troca das imagens para proporcionar o reuso. Para a pesquisadora da Universidade Tecnológica do Paraná, Nilvânia Aparecida de Mello, a principal vantagem de recursos como esse é que os alunos não se esquecem do que aprendem. “Temos um grupo em Pato Branco (PR), que usa os jogos para ensinar ciência dos solos para crianças do Ensino Fundamental. Percebemos, por meio dos estudos, que, além de ser mais divertido para as crianças, o jogo torna o conteúdo mais fácil de assimilar”, explica.

 

O Museu Itinerante Ponto UFMG também está na SBPC Jovem. Com salas interativas que mostram diversos projetos e uma exposição externa, as crianças estão aprendendo de maneira muito mais divertida. O estudante Pedro Sei Suzuki, de 8 anos, se diz encantando com tantas coisas expostas no evento. “Gostei de tudo, mas os projetos que falam de astronomia eu gosto muito mais. Eles são mais bonitos e com muitas informações interessantes”, conta.

 

Quem visita a SBPC também vai encontrar a Banca da Ciência, um projeto desenvolvido pela Universidade de São Paulo e mostra que não é preciso ter um laboratório todo equipado para fazer Ciências. Para o especialista em desenvolvimento de recursos pedagógicos Ricardo Augusto Viana de Lacerda, a intenção é mostrar que é possível construir os próprios recursos para fazer experimentos. “O projeto surgiu há cinco anos, mas tem pouco tempo que começamos a itinerar. A ideia é mostrar que podemos fazer Ciência com materiais simples, como tampinhas de garrafa e outros reciclados”, acredita