Evento debate a mineração do futuro

Compartilhe

A mineração é uma atividade que gera resíduos e rejeitos em todas as suas etapas. Esse material representa, hoje, um dos maiores desafios ao desenvolvimento sustentável do setor. Pensar alternativas para a gestão e utilização de resíduos e rejeitos da mineração é a proposta do 2º Fórum Minas e Mineração no século XXI, evento que acontece hoje (14) no auditório do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), no campus Pampulha da UFMG. Organizado pela FAPEMIG e pelo Indi, o encontro reúne pesquisadores, empresários e representantes da sociedade civil que, ao longo do dia, vão conhecer projetos e discutir possíveis caminhos para essa indústria.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPEMIG, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, participou da mesa de abertura. Ele lembrou a importância da mineração para o Estado de Minas Gerais e como o acidente de Mariana serviu de alerta para a necessidade de pensar a atividade sob o viés da ciência. “A dimensão do problema é grande, mas é preciso buscar respostas econômica e ecologicamente sustentáveis para a questão dos rejeitos”. Ele destacou a diversidade dos atores interessados no enfrentamento do problema, frisando que esse é o caminho. “Uma instituição sozinha não conseguirá avançar. Certamente, é a cooperação e o diálogo entre as partes que irá gerar soluções e levará à mineração do século XXI que buscamos”.

Na ocasião, foi lançada a plataforma R3 mineral, uma linha de ação criada para discutir a mineração sob a ótima de pesquisa, desenvolvimento e inovação, sob coordenação técnico-científica do pesquisador Fernando Lameiras, do CDTN. O grupo é formado por pesquisadores, entidades de classe, mineradoras e empresas com potencial para utilização dos rejeitos. O foco está na utilização dos rejeitos em larga escala e em diferentes atividades com bom potencial de aplicação, como a agricultura, a pavimentação e a construção civil.

Colaboração
O diretor da Amira International, Joe Cucuzza, proferiu a palestra de abertura do evento: Waste generation: reduce, reuse and recycle and the role of collaboration. Ele falou sobre os problemas atuais da mineração, com destaque para a geração de resíduos que, segundo ele, deve ser visto também como oportunidade para novos negócios e empregos. Cucuzza listou alguns desafios que, em sua opinião, devem ser trabalhados. Um deles seria considerar a meta zero resíduos, buscando alternativas para prevenir sua geração (ou ao menos minimizá-la), ao invés de focar apenas em propostas para o reaproveitamento. Ele também acredita que é preciso desenvolver opções considerando a viabilidade econômica, pois muitas soluções para o reaproveitamento de resíduos, quando transpostas para uma planta industrial, se mostram inviáveis.

Por fim, ele deixou um recado: a colaboração é essencial para essa indústria. E colaboração não apenas entre empresas, mas entre países, já que os problemas enfrentados pelos brasileiros, por exemplo, são muito semelhantes aos enfrentados pelos australianos. “Colaboração é uma questão existencial para a mineração”, enfatizou.

O Fórum terá continuidade na parte da tarde, com uma palestra sobre Economia circular e mineração e dois painéis, um sobre Visões e contribuições de potenciais segmentos consumidores e outro sobre Caminhos futuros: metas e estratégicas.

Vanessa Fagundes