Jogo Papo Reto aborda sexualidade de forma interativa

Compartilhe

 

 

Para descomplicar alguns tabus e abordar o tema de sexualidade de uma forma interativa e divertida, pesquisadores da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), desenvolveram o jogo Papo Reto. De forma lúdica, o jogo tem diferentes cenários como casa, escola, internet, balada e rua, e apresenta situações no formato de perguntas abertas ou fechadas. A proposta é que o conhecimento se faça por meio das interações entre os próprios adolescentes, e que as situações do jogo, retiradas do cotidiano jovem, sejam capazes de levá-los a buscar novos conhecimentos, analisar respostas e atitudes. A coordenadora do projeto, Vânia de Souza, comenta que, geralmente, o diálogo com os adolescentes acaba sendo marcado por regras de certo e errado, de verdades tidas como únicas, que pouco ou nada têm a ver com a vivência deles. Sendo assim, quando o participante responde uma pergunta no jogo ninguém vê a resposta dos outros, mas ao publicá-la, é possível ver todas as respostas dos jogadores para aquela questão e comentá-la. Quanto mais interação, mais pontos.“Percebemos que o jogo mostrou ser capaz de produzir mudança sem a nossa interferência”, diz Vânia. Exemplo disso, dado pela pesquisadora, é que em uma pergunta sobre violência contra o corpo da mulher, os homens também leram as respostas das meninas e se conscientizaram sobre o tema. Além disso, a plataforma do jogo tem algumas abas de apoio, sendo que uma delas é o Como buscar ajuda, que traz endereços e telefones de apoio.Ficou curioso? Para acessar o jogo, basta enviar um e-mail sinalizando o interesse para vaniaxsouzapaporeto@gmail.com. Aproximadamente 500 pessoas já entraram nessa brincadeira, mas o objetivo é chegar a 3.000 acessos de adolescentes até o final do projeto. Para isso, a equipe de pesquisa visitou escolas em São Paulo e em Minas Gerais para explicar a proposta. O próximo desafio da equipe é transformar o jogo num aplicativo para facilitar o acesso, diante da percepção que o público alvo prefere os dispositivos móveis ao computador.

Roberta Nunes