Investimentos que transformam

Compartilhe

 

OW

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) investiu, no início de 2017, cerca de R$ 4 milhões no custeio de diversos programas e projetos aprovados para contratação. Dentre eles estão as Chamadas 07/2015 - Popularização da Ciência, da Tecnologia e da Inovação, 08/2015 - Estruturas de Comunicação e Divulgação da Ciência e a 05/2016 - Apoio a Núcleo de Inovação Tecnológica (NITs). Parte desse valor, R$ 953 mil, serão destinados aos NITs para a manutenção, implementação de medidas de sustentação dos processos, ações de inovação tecnológica no Estado e proteção das tecnologias geradas a partir da universidade ou centros de pesquisas.

 

De acordo com a coordenadora de Transferência e Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Juliana Crepalde, esse apoio é fundamental e vai além da criação de novos produtos e patentes, ele passa pelo campo do conhecimento também. “A FAPEMIG, por meio das bolsas concedidas, é corresponsável por formar gestores da inovação, pois os bolsistas que por aqui passam adquirem expertise suficiente para atuarem no ecossistema da inovação e serem multiplicadores da CT&I no Estado”, explica.

 

Existe uma infinidade de novas ideias e produtos que já estão no mercado. Hoje, por exemplo, a FAPEMIG possui a cotitularidade de 500 pedidos de patentes nacionais e 42 transferências de tecnologia, um investimento em novas possibilidades econômicas e sociais. Um exemplo, desenvolvido na UFMG, é um novo fármaco, atóxico e analgésico, que visa combater a disfunção erétil. O grupo de pesquisadores responsável pelo trabalho isolou parte do veneno da aranha armadeira por meio da sintetização do peptídeo que potencializa a ereção sem causar efeitos tóxicos, e desenvolveu uma fórmula analgésica. Essa substância foi licenciada com exclusividade à empresa Biozeus, em 2016, por meio de edital de oferta pública.

 

Outro projeto é o Observatório Web Licenciado em vários segmentos da moda, saúde, segurança e setor automobilístico, a ferramenta monitora em tempo real a movimentação na internet, traçando um mapa das reações dos internautas, a respeito de determinado assunto. Segundo Wagner Meira, coordenador do projeto, um desses segmentos virou um produto chamado Observatório do Automóvel. A ferramenta pode ser utilizada por indústria automobilística como suporte nas pesquisas e monitoramento de mercado.

 

Divulgação da Ciência

 

Entre as iniciativas que receberam recursos está a Plataforma Espinhaço – Conectando Conhecimento, que será desenvolvida com os recursos da chamada 08/2015 e tem o objetivo de fortalecer a Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). A estrutura é o espaço oficial da universidade para as iniciativas de comunicação e divulgação da ciência. O apoio financeiro vai consolidar o diálogo da UFVJM com as três esferas de seu público-alvo, ao ponto de permitir uma maior aproximação e participação da sociedade em todas as ações da comunidade acadêmica.

 

De acordo com a Diretora de Comunicação Social da UFVJM, Amanda Thomaz Monteiro, parte do recurso também será utilizada para contratação e aquisição de serviços específicos voltados para Tecnologia da Informação e comunicação. “A consolidação da Plataforma Espinhaço inquestionavelmente prestará enorme contribuição para subsidiar ações capazes de captar e disseminar de forma eficaz o conhecimento científico que é produzido internamente na instituição”, acredita.

 

Chamadas contempladas:

Chamado 05/2016 - Apoio a Núcleo de Inovação Tecnológica (NITs): R$ 953 mil.

Chamada 07/2015 - Popularização da Ciência, da Tecnologia e da Inovação: R$ 1,8 milhões.

Chamada 08/2015 - Estruturas de Comunicação e Divulgação da Ciência: R$ 1,2 milhões.

 

Outras informações podem ser obtidas com a Central de Informações da FAPEMIG pelo e-mail ci@fapemig.br