Pesquisadores avaliam o Peld na XIII Reunião de Acompanhamento e Avaliação

Júlia Rodrigues - 14-06-2024
661

Entre os dias 10 e 12, ocorreu em Brasília, a XIII Reunião de Acompanhamento e Avaliação do Programa Ecológico de Longa Duração (Peld) e dos projetos (sítio Peld). O evento promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) teve como objetivo possibilitar a integração entre os coordenadores de sítios Peld e demais participantes, além de aprimorar as estratégias de educação e divulgação.

O evento ocorre a cada dois anos e este ano teve como tema “Rumo ao Observatório Brasileiro de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos”. No encontro, foram apresentados os resultados parciais dos projetos em formato fotográfico no painel intitulado “O Programa Brasileiro de Pesquisa Ecológica de Longa Duração: retrospecto e prospecto”. A palestra “Dados de evento de amostragem do PELD - SiBBr e GBIF” e os escritórios sobre Comunicação Científica Estratégica também fizeram parte da programação. 

Estiveram presentes membros do Comitê Científico do Peld, coordenadores de sítios Peld aprovados na Chamada PELD 021/2020, representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) parceiras, além de gestores e analistas do CNPq e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)


Pesquisadores reunidos durante a XIII Reunião de Acompanhamento e Avaliação do Programa Ecológico de Longa Duração (Peld), na Sede do CNPq, em Brasília (2024). Marcelo Moreira Gondim/CNPq


Na imagem os coordenadores dos Peld mineiros. Da esquerda para direita Alexandre Christofaro Silva (PELD-TURF),  Yule Roberta Ferreira Nunes  (PELD-VERE), Heraldo Luis de Vasconcelos  (PELD-TMSG) e Geraldo Wilson Afonso Fernandes (PELD-CRSC) Créditos: Yule Nunes/VERE


A coordenadora do sítio Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração - Veredas (PELD-VERE), Yule Roberta Ferreira Nunes, conta que “estes encontros são muito importantes para promover interação entre os sítios de pesquisa, organizar perspectivas colaborativas, identificar pontos positivos e fragilidades e principalmente contextualizar cada pesquisa dentro de todo o programa”. 

O sítio PELD-VERE objetiva estudar as mudanças que o secamento (rebaixamento do lençol freático) causa nas veredas - áreas conhecidas como os “Oasis do Sertão” onde a água brota no Cerrado, permitindo a manutenção hídrica desse ecossistema. As veredas, por serem ambientes constantemente úmidos, permitem que a água esteja disponível para os animais e para as pessoas durante todo o ano. 

Os pesquisadores monitoram três veredas no Norte de Minas, que apresentam secamento severo, início de secamento e uma delas mantem sua umidade ainda preservada. Nessas veredas, são conduzidos estudos sobre aspectos físicos (hidrologia, solo e clima), biodiversidade (flora, insetos, morcegos, macacos), serviços ecossistêmicos (polinização, ciclagem de nutrientes, dinâmica do carbono) e saúde única (saúde ambiental e saúde humana). 

“Nos nossos estudos, vários grupos têm observado mudanças na composição de espécies, que mostra que espécies típicas dos ambientes úmidos estão sendo substituídas por exemplares que vivem em ambientes mais secos. Assim, existe uma diminuição na diversidade da região, pois as espécies variam entre os diferentes ambientes. Logo, o funcionamento do ecossistema fica alterado e muitos serviços ecossistêmicos podem ser afetados” conta, Nunes. 


Programa de Pesquisa Ecológica de Longa Duração (Peld) 

O programa criado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) articula uma rede de sítios de referência para a pesquisa científica em Ecologia de Ecossistemas. Atualmente, conta com apoio financeiro da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Fundo Newton (British Council) e 20 Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs), entre elas a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG). 

Leia mais Pesquisa revela rede oculta de interações ecológicas 

Atualmente, a FAPEMIG financia quatro Pelds: 


CRSC, Mudanças globais em montanhas tropicais;  

Coordenação:  Geraldo Wilson Afonso Fernandes 


TMSG, Impactos antrópicos sobre a biodiversidade do Cerrado e os processos ecológicos na região do Triângulo Mineiro e Sudeste de Goiás; 

Coordenação: Heraldo Luis de Vasconcelos 


TURF, Turfeiras da Serra do Espinhaço Meridional: serviços ecossistêmicos e biodiversidade; 

Coordenação: Alexandre Christofaro Silva 


VERE, Colapso das veredas no sertão mineiro: efeitos sobre a biodiversidade, serviços ecossistêmicos e saúde (Fase 2); 

Coordenação: Yule Roberta Ferreira Nunes 


Segundo a chefe do Departamento de Parcerias Públicas, Caroline Mariete Pimentel, a FAPEMIG incentiva o Programa PELD por sua contribuição essencial que permite o acompanhamento contínuo de ecossistemas brasileiros ao longo do tempo, fornecendo dados valiosos para elaboração de políticas públicas e planos de ação voltados para a conservação de espécies ameaçadas, proteção de ecossistemas e unidades de conservação.  

“Suas pesquisas são fundamentais para entendermos os impactos das ações humanas e para desenvolvermos estratégias eficazes para conservação e uso sustentável dos recursos naturais. Portanto, ao apoiar e fomentar as pesquisas provenientes do Programa PELD, a FAPEMIG está contribuindo para o avanço do conhecimento científico nessas áreas e para a tomada de decisões informadas em prol da preservação da biodiversidade e da qualidade de vida das presentes e futuras gerações, declarou. 

Com informações Comunicação CNPq