Diretores científicos das FAPs se reúnem em Curitiba

Assessoria de Comunicação | Fundação Araucária - 28-07-2023
2281

Nos dias 27 e 28/7, foi realizado, em Curitiba (PR), o Encontro das Diretorias Técnicas das Fundações de Amparo à Pesquisa realizado pelo Conselho Nacional das FAPs (Confap) e pela Fundação Araucária. Em pauta, os temas Ciência Aberta, Pesquisa Orientada à Missão, Indicadores e a Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação.

"Esses tópicos são de grande importância. Discutimos eixos estratégicos, ações prioritárias e temas de interesse dos estados que podem ser levados para a 5ª Conferência Nacional de CT&I, que será realizada em 2024", conta Marcelo Spezialli, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPEMIG.

Luiz Márcio Spinosa, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, anfitriã do evento, completa: “reunimos quase vinte FAPs, todas com problemas muito similares. Neste encontro, estamos trabalhando em temas que são críticos para as fundações e chegamos a alguns elementos para a construção de uma proposta que será apresentada na próxima reunião do Confap”.

Para o presidente do Confap, Odir Dellagostin, trata-se de uma oportunidade ímpar para compartilhar experiências, discutir assuntos de interesse comum e propor ações conjuntas para o avanço da ciência nos estados. “No cenário nacional, as FAPs vêm alcançando uma relevância, cada vez, maior. Nos últimos anos, em que tivemos um subfinanciamento em nível nacional nas agências nacionais, foram as FAPs que mantiveram a ciência de pé e as pesquisas em andamento. As FAPs contribuíram com cerca de 80% do auxílio à pesquisa. Agora estamos frente a um novo cenário de uma maior disponibilidade de recursos e valorização da ciência”, destaca Dellagostin.


Encontro das Diretorias Técnicas das Fundações de Amparo à Pesquisa. Foto: João Monteiro/Fapeal

Debates
Em sua apresentação sobre a política de inovação orientada por missões, o consultor da Diretoria de Tecnologia da Faperj, Caetano Penna, ressaltou que as instituições precisam pensar as missões de acordo com suas capacidades setoriais.

“Alcançar novas missões requer a combinação e exploração de múltiplas capacidades públicas e privadas. O desafio brasileiro é aprender com sua própria experiência, utilizar suas capacidades e capacitações e desenvolver abordagem própria para alcançar novas missões de relevância para toda a sociedade”, afirma o pesquisador.

Segundo o diretor científico da Fapesp, Marcio de Castro Silva Filho, os desdobramentos das conversas nos grupos de trabalho contribuem para integrar ações para elencar respostas mais convergentes para avançar nos temas abordados no encontro. Ele defendeu que as missões precisam transpassar os governos.

“Precisamos ter políticas de estado. Os problemas regionais têm dimensões distintas, então precisamos pensar como abordar estes problemas. Se são decisões de cima para baixo ou de baixo para cima, ou a partir de consenso definido entre todos os atores é que vão sinalizar soluções para o enfrentamento destes problemas da nossa sociedade”, comenta o diretor da Fapesp.

A democratização da ciência, nos debates do tema Ciência Aberta, precisa ter um espaço maior dentro das ações das FAPs, de acordo com o diretor de Tecnologia da Faperj, Aquilino Senra. “Temos que pensar em princípios importantes de acesso aos dados das pesquisas que, normalmente quando colocados em um artigo, é de forma muito reduzida e que pouco ajuda na continuidade da pesquisa por outros grupos. Também temos que analisar o acesso às publicações. Há casos em que o Brasil paga as duas contas, para publicar o resultado da pesquisa e depois para ter acesso à pesquisa”, observa.

O diretor científico da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa, reforçou a necessidade de práticas que promovam a ciência aberta. “Este é um tema que está sendo demandado para todas a FAPs em termos de novas políticas e estratégicas, também novo fomento porque isso nos habilita a trabalhar muito internacionalmente”, completa.