Presidente da FAPEMIG recebe a Grande Medalha

Vivian Teixeira - 22-04-2024
994


No dia 21 de abril, data em que se celebra o Dia de Tiradentes, o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), Carlos Arruda, foi agraciado com a Grande Medalha, honraria concedida pelo Estado a personalidades e instituições que contribuíram para o desenvolvimento de Minas Gerais e do país. A solenidade contou com as presenças do governador do Estado Romeu Zema, do vice-governador Professor Mateus, e de outras autoridades. 

Além de gerir a FAPEMIG desde novembro de 2023, Carlos Arruda é professor associado da Fundação Dom Cabral e consultor associado da Cambridge Family Enterprise. Com doutorado em Administração, pela University of Bradford do Reino Unido, mestrado em Administração, pela Universidade Federal de Minas Gerais, e graduação em Engenharia Mecânica também pela UFMG. 

Solenidade 

A celebração foi realizada em dois momentos distintos. Primeiro, a honra militar, com a presença dos Dragões da Inconfidência, o hasteamento da bandeira, a colocação de flores no monumento ao mártir da Inconfidência Mineira e a salva de 21 tiros, realizada na Praça Tiradentes, no coração da cidade histórica.  

Na sequência, ocorreu o ato de entrega da Medalha da Inconfidência no Centro de Artes e Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). 

Em 2024, foram 171 agraciados que contribuíram para o desenvolvimento de Minas Gerais e do Brasil, em quatro designações: Grande Medalha (40), Medalha de Honra (58), Medalha da Inconfidência (72) e Grande Colar (um), honraria concedida a chefes de Estado, chefes de governo e chefes dos demais Poderes da União. 

Homenagem a Bárbara Heliodora 

Durante a cerimônia, a poeta e heroína da Inconfidência Mineira, Bárbara Heliodora Guilhermina da Silveira foi homenageada por sua participação ativa no período emblemático da história de Minas Gerais, em 1789. Na ocasião, o Museu da Inconfidência recebeu uma porção de terra do túmulo onde a poeta esteve enterrada, em São Gonçalo do Sapucaí, no Sul de Minas, desde 1819.  Os despojos foram levados até o Panteão dos Inconfidentes, onde ficarão ao lado de outros inconfidentes, como Tiradentes e do marido dela, Alvarenga Peixoto. A oficialização da poeta entre os heróis da Inconfidência Mineira representa uma forma de corrigir um equívoco histórico, já que à época, por ser mulher, a ativista não obteve o devido reconhecimento como parte indissociável da memória de nosso estado. 


Com informações da Agência Minas